quarta-feira, 8 de abril de 2009

Professor Nazareno pede desculpas...



“Para muito além dos facões..."


Professor Nazareno*


A propósito das reações ao texto... “Em Rondônia é assim mesmo...”, publicado em alguns sites da capital e neste Blog, percebo como perfeitamente aceitável o fato de que pessoas se indignaram bem como louvável também o fato de que algumas outras me apoiaram. O problema ainda continua sendo a reação daquelas que não conseguiram ter reação, ou por que não leram, ou por que leram e não entenderam, ou por que simplesmente não se interessam por este tipo de discussão. “O contrário do amor não é o ódio, mas a indiferença”, diz assim um velho ditado popular. Por isso o texto em questão é antes de tudo uma declaração de amor a Rondônia, mais especificamente a Porto Velho. É um grito indignado contra os revezes impostos pelo capital ao nosso já cambaleante meio ambiente amazônico. É um grito de dor pela História que desaparecerá. Se a Madeira - Mamoré é ensinada religiosamente como parte integrante do nosso passado, ela não mais será necessária: as cachoeiras que lhe margeiam os abandonados trilhos desaparecerão para sempre nos futuros navegáveis trechos que lhe deram origem. Como prostitutas ordinárias, dissemos sim ao cliente (Senhor Corrêa) que nos usa e abusa, e ainda me paga com dinheiro imprestável e sujo de gesso que cai em nossas cabeças. Se me estupram, por que tenho ainda que pagar pelo preservativo? Não há outro animal que ria da própria desgraça senão a hiena que se alimenta de carniça... Digo hiena para não ofender araras, papagaios, antas, pacas, capivaras...
Somos mais ou menos quatrocentas mil almas e quase fomos vencidos por apenas uma: a da senhora Andrea Rocha Izac, aquela que dizem ter dado uma entrevista a Eliane Brum, repórter da revista Época logo após a publicação do meu texto. Ela merece uma estátua bem grande, de uns 50 metros de altura lá na Avenida Jorge Teixeira ou no Centro da cidade, ou em outro lugar, por ter ‘levantado a lebre’. Toda vez que um porto-velhense a visse, lembraria das mazelas desta cidade e cobraria providências dos seus desastrados administradores, que são cegos, relapsos ou incompetentes, por falta de dinheiro ou de capacidade de administrar o dinheiro que têm à disposição. Seria bom perguntar por que apesar de tão pequena, esta cidade pode ser mais violenta do que o Sul do Pará ou o Rio de Janeiro das intermináveis guerras em suas favelas. Ou por que produzimos tantos pobres, apesar das muitas chuvas, quanto o árido sertão do Nordeste. Políticos são mortos e já o foram em outros lugares do Brasil e Secretários de Segurança Pública também, mas se esses casos acontecem aqui, no nosso quintal, têm e devem ser motivos de preocupação para todos nós.
Quem sabe esta estátua não faria os rondonienses lembrarem do melhor executivo do mundo, apontado pela revista Financial Times de Londres, Carlos Ghosn, o todo-poderoso presidente da Renault e da Nissan? "Ghosn tem um cérebro privilegiado. É capaz de empacotar centenas de dados ao mesmo tempo e utilizá-los de forma a enxergar o que ninguém vê", afirmou recentemente Jean-François Manzoni, professor de liderança e desenvolvimento organizacional do Instituto Internacional para o Desenvolvimento da Administração, na Suíça, que já esteve com Ghosn várias vezes. Poderíamos nos lembrar também de José Maurício Bustani Júnior, diplomata de carreira e que foi eleito diretor-geral da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ), subsidiária da ONU, Organização das Nações Unidas, para o período 1997-2000, e reeleito para o período 2001-2005, mas não chegou a concluí-lo, por insistência do governo dos Estados Unidos em sua remoção, que ocorreu em 2002. Bustani conseguiu ‘peitar’ os falcões do Pentágono e enfrentou nada menos que George W. Bush no episódio das armas químicas e de destruição em massa que Saddan Hussein não tinha. Na época, a União Européia admitiu concordar com o relatório feito por ele e que denunciava os norte-americanos. “Não se faz uma guerra baseando-se numa mentira”, teria afirmado sobre o episódio, frase copiada por vários líderes mundiais.
Bobagem dizer que estes dois grandes homens são rondonienses e filhos de Porto Velho se aqui temos a “Bailarina da Praça”, “Manelão” da Banda-do-vai-quem-quer e Zezinho do bloco carnavalesco Maria Fumaça, e que justiça seja feita, fazem a alegria de todos. Qual o lugar do planeta que não se orgulharia daqueles dois filhos ilustres e abençoados? Será que Porto Velho já ouviu falar deles? Meus filhos já! Bisnetos de Parintintins, da margem direita do Madeira, sempre foram ensinados a amar esta terra, já que eu, “comedor de calango”, não posso. Eles são ensinados a não votar mais em prefeitos com o maior número de obras inacabadas do Brasil. Foram ensinados a repudiar uma população que literalmente defeca em seus monumentos históricos (os bravos pioneiros devem chorar quando vão à E.F.M.M). Eu choro quando volto à Calama dos casarões do Segundo Ciclo da Borracha que estão apodrecendo. Meus filhos também são ensinados a não adotarem o senso-comum quando tiverem que repudiar uma opinião. E já sabem que não adianta citar Voltaire quando os facões estiverem zunindo rente às suas cabeças. Mas, teimosos que são, insistem em querer ouvir Mp3, esnobar o novo celular para os amiguinhos, navegar na Internet, curtir MSN e Orkut e se encantar com Shopping Center e McDonald’s da vida achando que o papai e a mamãe, às vezes altos funcionários do Estado, lhes darão qualquer cobertura. A cidade de Porto Velho é mesmo este paraíso de coelhinhos saltitantes e borboletas azuis e por isso canta-se “Céus de Rondônia”, na versão oficial, e finje-se não existirem outras interpretações. “Maquio o monstro e faço plásticas no cadáver” e ainda consigo dormir em paz comigo mesmo.
Bravos rondonienses de Porto Velho, guardem seus ‘cravinotes, busquetões e trabucos’. Eu sou da paz, mas digam ao mundo que vocês, como rondonienses que são, ainda têm Vilhena (“que nem calor opressor tem”), Cacoal, Ariquemes e Rolim de Moura, para não citar outros exemplos de cidades interioranas deste estado, que deviam fazer parte do Primeiro Mundo. E que com apenas trinta aninhos ou menos, nos dão muita inveja, mesmo com alguns defeitos, pela sua pujança, organização e desenvolvimento. Admitam o péssimo atendimento médico que temos em Porto Velho tanto na área particular como, principalmente, na área pública e que foi denunciado pela revista Época e aceitem que não estamos encontrando saídas para este e para outros gravíssimos problemas. Só podemos transpor os nossos obstáculos se conseguirmos vê-los e entendê-los e não será apontando os defeitos alheios que resolveremos os nossos. Expulsem todos os que falam mal desta cidade, mas isto não aumentará os apenas três por cento de saneamento básico nem os ridículos 20 % de água tratada que temos, apesar de termos o já sentenciado de morte rio Madeira correndo bem ao nosso lado. Rogo-lhes perdão, mas isto também não resolverá os buracos das ruas e avenidas, os infernais engarrafamentos, a violência, a sujeira, a falta de ética na política local, as epidemias e nem nos devolverá a Jorge Teixeira e a Imigrantes, avenidas que o atual prefeito deu de presente ao Governo Federal. Perdoem-me, rondonienses, mas saibam que o ônibus continuará caro, a carne e o aluguel também e o porto que dá nome à cidade ainda não será porto. É apenas um barranco sujo e mal cuidado. Degolem-me, mas não se esqueçam de prestigiar o clássico do futebol local e de comprar pupunha, açaí, biribá, pequiá, bacaba, bacuri e tantas outras deliciosas iguarias regionais quando forem, em junho próximo, ao arraial “Flor do Maracujá”.


*É professor na Escola João Bento da Costa em Porto Velho

17 comentários:

Karla disse...

Bravo! Espero que agora os rondonienses possam se despir da arrogância e entender sua idéia. :)

Joshua Werner disse...

Professor!!!! õ/
Adorei!!

Continue sendo este cidadão consciente que você é!!

van van disse...

sera q assim o povo entede agora oq o senhor quis disser?????

Aprenda Redação disse...

Prof. Eu só tenho é que lhe parabenizar...Pois vc escreve como ninguém de forma consciente, crítica usando a sátira...Eu como como PortoVelhense de berço, remanescente dos Imigrantes Barbadianos, que ajudaram na construção desse Munícipio e consequentemente desse Estado...
Fico muito feliz, por ter sido sua aluna e saber que existe profissionais que merece todo o meu respeito, ou melhor o nosso respeito, como cidadãos PortoVelhense...
Infelizmente ainda existem muitas pessoas que preferem flechar os olhos, para a atual conjuntura em nosso Estado...Onde o desenvolvimento faraonico, colocou em cheque a formação acadêmica de muitos engenheiros, administradores, biologos e outras profissionais, pois até mesmo a Natureza está respondendo e mostrando a todo momento a catastrófe ambiental, social, economica, profissional em nossa Porto Velho...
Bem Prof. apesar da grande Polêmica gerada em relação a publicação do artigo Sobre a situação atual em Porto Velho, espero que seja forte e continue nos privilegiando com os seus maravilhosos escritos...e lembre-se que os mais impotantes Pensadores da História como Einsten, Leonardo da Vinci, Ghandi e tantos outros sofreram situações parecidas como a que Vc está passando em decorrência do Artigo...

Aprenda Redação disse...

Não se pede desculpas pela verdade

Moreira, com suas metáforas mostrou o real, constante e principalmente, o inexistente.ele tem o alvará dos loucos(poeta).

Professor, pedidos de desculpas são dispensáveis. Você não mentiu, iludiu ou ao menos escondeu algo. Você, de fato, escancarou a verdade.

Se alguém se sente ofendido é pq a situação é real, e é claro, incomoda. Os que insistiram em iniciar a caça ao retirante linguarudo vão continuar lançando suas pedras. Os que vestiram a carapuça de hienas vão continuar com sua carniça. Enfim, continuarão incomodados e ninguém fará nada.

Mas enquanto isso vamos sobre-vivendo nesse caos e com um bando de minhocas.

Beijinhos.

Você ainda não percebeu a repercussão que tudo isso teve. Você realmente incomodou, sinta-se lisonjeado.

E continuo parabenizando-o.
Jéssika

aline lino(jbc) disse...

Ótima postagem Professor.Só assim os ignorantes vão perceber que não foi por mal,mas,sim um grito de um cidadão que está ainda indgnado da maneira que anda o nosso Estado de Rondônia.Verdadeiramente, eu não entendo, cidadões que moram aqui, convive com essa realidade de desordem e descaso, e que não querem reconhecer que isso é veradede, que o nosso ESTADO vai mal.Dessa forma, o nosso povo vai mal também,pessoas que querem tapar o sol com a peneira,fingindo ser cegos....(bando de ignorantes)!!!

A postagem de Rondônia que o Professor Nazareno anexou aqui,não foi uma utopia,mas,sim um rajado de realidade e insatisfação de um cidadão que não quis calar o seu grito.

Sejam como ele....Não calem a sua voz, a sua concepção(idéia)!!!!

Seja ousado.

aline lino(jbc)

aline lino(jbc) disse...

Prof eu digitei errado sem querer no meu comentário....

a palavra é essa: verdade e eu coloquei veradede.


(é verdade tá gente!!)

obrigada.

Anônimo disse...

ah ,PROFESSOR como você escreve bem .esse professor é o cara mesmo .
parabéns
eu sempre tive e tenho orgulho de ser sua aluna.
ah ,que saudades da sua aula.
e quem nao reconhece os problemas de Rondônia ,sao os ignorantes .
você nem deveria pedir desculpas,mais como você e inteligente,culto,você pediu.
a eu admiro sua inteligencia.te adoro

Pensador disse...

Magnifico professor!
Ê Porto Velho veia ,é só 30 aninhos, esse povo tem muito que aprender ainda....

- Alliny Adnil - disse...

Muito bem Nazareno!
Será que agora você conseguiu acabar com a ignorância desses Rondodienses?
Espero que sim.

Anônimo disse...

DESCULPAS DE QUE HÁ QUEM.........
ISSO É QUAZE UM ABSURDO.....
MAS INFELIZMENTE É VERDADE.
A VERDADE DOI PRINCIPALMENTE EM QUEM TEM CULPA............

Paloma Carvalho disse...

Professoor!!
Concordo em gênero e número com o senhor!!
O povo tah culpando a pessoa errada!
Reclamar de quem mostra a realidade, não vai muda-la!
Espero que quem tenha lido essa redação e a última reportagem da Época faita pela repórter Eliane Brum, sobre PVH, perceba que só estão expondo os problemas da nossa cidade de forma clara e objetiva! Como diz o velho ditado "A verdade dói" e muitooo.
Parabéns pelos comentários
Abraços
Paloma

Paloma Carvalho disse...

Professoor!!
Concordo em gênero e número com o senhor!!
O povo tah culpando a pessoa errada!
Reclamar de quem mostra a realidade, não vai muda-la!
Espero que quem tenha lido essa redação e a última reportagem da Época feita pela repórter Eliane Brum, sobre PVH, perceba que só estão expondo os problemas da nossa cidade de forma clara e objetiva! Como diz o velho ditado "A verdade dói" e muitooo.
Parabéns pelos comentários
Abraços

Joice Xpds disse...

Depende do posterior a denúncia...
A denúncia foi feita, se continuaremos assim... Os ingênuos não preveem... Os bobos não tem nem ideia.

Anônimo disse...

palmas.....continuemos aplaudindo os demagogos.Ah!!!!!Esquecemos, a chuva está lá fora.rsrrsrsr....Pq nós,que não estamos nos molhando,tiramos a bunda da cadeira e fazemos algo por nossa cidade?Eu já comecei....Primeiro deixando de ler oq já etá constatado,enfim,comecei a arregaçar a mangas.Vamos lá gente.

Costa Brasil disse...

RONDÔNIA SE DESTACA COMO MAIOR GERADOR DE EMPREGO DA REGIÃO NORTE

Rondônia tem elaborado e realizado grandes propostas para cooperar com o desenvolvimento do país e, por isso, é um estado que está em constante ascensão. O crescimento é percebido através de resultados que Rondônia tem alcançado nacionalmente. De acordo com os dados do CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados –, órgão responsável pela síntese do comportamento do mercado de trabalho formal, em março de 2009 foram gerados 1.299 empregos celetistas, equivalente à expansão de número significativo em relação ao estoque de assalariados com carteira assinada no mês anterior. É importante frisar que este resultado foi o melhor da série do CAGED e, também, da região Norte.
Os resultados provam que nos últimos 12 meses o Estado de Rondônia foi responsável pela maior geração de empregos da região, ao apresentar crescimento de 4,71% no nível de emprego, ou seja, um saldo de 7.693 postos de trabalho. O ano de 2009 começa com saldo positivo para Rondônia: o estado está gerando emprego, renda e contribuindo significativamente para o desenvolvimento econômico e social do estado e do país. No primeiro trimestre do ano, houve acréscimo de 3.957 postos, constituindo em termos absolutos e relativos, o melhor desempenho da serie histórica do CAGED e da região Norte.
O SINE – Sistema Nacional de Emprego – é um programa do Governo Federal e do Ministério do Trabalho e Emprego, que, em Rondônia, está vinculado à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e Social (SEDES), como órgão executor. Este programa tem, entre uma de suas funções, auxiliar os trabalhadores na (re)colocação no mercado de trabalho e tem colaborado com os números positivos alcançados. “Estamos trabalhando para que esses resultados sejam sempre superados, já que nossa missão institucional consiste na implementação de políticas públicas que assegurem o volume de emprego no Estado” afirma Silmara Velani, gerente de emprego e renda.

Matéria pública no site www.Rondoniaovivo.com, em 20/04/09
Fonte: AI/Sedes (É permitida a reprodução desta matéria desde que citada a fonte.)

Joice Xpds disse...

Costa Brasil,

só me sinto na obrigação de lhe avisar que seu post está ficando repetitivo...

Sem neuroses!
xD