sábado, 18 de abril de 2009

Faltou envolvimento de algumas pessoas...


Rondônia ainda corre perigo...


Professor Nazareno*


Claro que não tem nada a ver com as “hienas de shopping”. De tão alienadas e gordas nem se prestariam ou perderiam seu ‘precioso’ tempo e disposição para impor qualquer atitude ameaçadora a quem quer que seja. Nem com os falsos telúricos ou os metidos a xenófobos de plantão. Não tem nada a ver também com os professores de História, com ou sem religião, que falam das Cruzadas, da Reforma ou Contra-Reforma, de Calvino ou Lutero. E muito menos com aqueles que viram e ainda teimam em dizer que o rei está vestido. O maior problema está na classe política do Estado e também da cidade de Porto Velho que diante do ‘tsunami Eliane Brum’ não deram nenhum pio.

Perigo uma vez que poderia ser normal que alguém escolhido para representar o cidadão comum não estivesse ali, nas trincheiras abertas, nas batalhas que se seguiram, nos textos e nas discussões geradas, nem para atacar nem para defender e muito menos para dizer o que pensava sobre o tema. Algum partido se pronunciou ou alguma autoridade falou alguma coisa sobre o acalorado assunto? Nem um único assessor e muito menos os eleitos que dizem representar os eleitores pronunciaram qualquer tipo de opinião. Ficamos à mercê da própria sorte. Será que as excelências entenderam que “Em Rondônia é assim mesmo...?”. E o que é pior: “Deve continuar assim mesmo...?”.

Para a maioria dos políticos, que dizem nos representar, a vida vai continuar seguindo o seu ritmo normal. Vão continuar indo ao “Buchódromo” da capital, que ostenta o curioso título de área com a maior incidência de camisinhas usadas por metro quadrado talvez do país enquanto, no local, os cachorros continuarão a levar seus donos para o já habitual passeio diário e todos, felizes e saltitantes, lêem a Declaração Universal dos Direitos Humanos, na ordem inversa e mesmo com os artigos embaralhados como colocaram lá, sem se preocupar com os restos de sêmen humano deixados nas noites anteriores.

Parte dos políticos deve ter ficado feliz, pois um bom percentual dos eleitores apenas atacou quem disse que problemas havia na cidade e não os responsáveis pelos buracos das ruas, a fedentina, o lixo, a falta de arborização e de lugares públicos, a falta de saneamento básico, os engarrafamentos, a falta de porto, o rol de obras inacabadas da Prefeitura Municipal e também a nova ponte que a empresa CAMTER fez no rio Candeias e que está para desabar. Nem fizeram declarações de que a repórter era “persona non grata” e que a Revista Época mentiu. E talvez por isso eles, nesta história, entraram calados e saíram mudos. E certamente estão torcendo para que tudo isto caia rapidamente no esquecimento e que as coisas se acalmem e “voltem logo ao normal”.

É muito perigoso dar aos políticos tanto fôlego, tanta tranqüilidade, mas foi isso que fizemos quando elegemos e atacamos um inimigo comum: um simples Blog ou uma revista de circulação nacional. O que o prefeito achou disto tudo? Os deputados estaduais eleitos pelo município? E as autoridades em geral? Ficamos expostos à ira alheia e quase fomos às vias de fato e em vez de discutir se Porto Velho tem o terceiro mais bonito pôr do sol do Brasil, como se isto pudesse ser mensurado, devíamos aprender com o episódio e unir as nossas energias contra os que têm a obrigação de nos defender e nos proporcionar uma vida melhor. Mas se isto não acontecer, aí, sim, Porto Velho e Rondônia correm perigo. Sério perigo de continuar tudo na mesma.


*Leciona em Porto Velho (profnazareno@hotmail.com)


4 comentários:

Danilo disse...

Ha professor, esperar sair leite de pedra é complicado.
Mas, "somos brasileiros e não desistimos nunca".
Apesar de alguns achar que aqui nem é Brasil, pareçe estar ocorrendo uma espécie de Farroupilha aki no norte ...

Anônimo disse...

Agora sim o caro professor chegou no ponto.Devemos cobrar dos políticos,e não apenas bater palma para discurso demagogo.;D

Costa Brasil disse...

RONDÔNIA SE DESTACA COMO MAIOR GERADOR DE EMPREGO DA REGIÃO NORTE

Rondônia tem elaborado e realizado grandes propostas para cooperar com o desenvolvimento do país e, por isso, é um estado que está em constante ascensão. O crescimento é percebido através de resultados que Rondônia tem alcançado nacionalmente. De acordo com os dados do CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados –, órgão responsável pela síntese do comportamento do mercado de trabalho formal, em março de 2009 foram gerados 1.299 empregos celetistas, equivalente à expansão de número significativo em relação ao estoque de assalariados com carteira assinada no mês anterior. É importante frisar que este resultado foi o melhor da série do CAGED e, também, da região Norte.
Os resultados provam que nos últimos 12 meses o Estado de Rondônia foi responsável pela maior geração de empregos da região, ao apresentar crescimento de 4,71% no nível de emprego, ou seja, um saldo de 7.693 postos de trabalho. O ano de 2009 começa com saldo positivo para Rondônia: o estado está gerando emprego, renda e contribuindo significativamente para o desenvolvimento econômico e social do estado e do país. No primeiro trimestre do ano, houve acréscimo de 3.957 postos, constituindo em termos absolutos e relativos, o melhor desempenho da serie histórica do CAGED e da região Norte.
O SINE – Sistema Nacional de Emprego – é um programa do Governo Federal e do Ministério do Trabalho e Emprego, que, em Rondônia, está vinculado à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e Social (SEDES), como órgão executor. Este programa tem, entre uma de suas funções, auxiliar os trabalhadores na (re)colocação no mercado de trabalho e tem colaborado com os números positivos alcançados. “Estamos trabalhando para que esses resultados sejam sempre superados, já que nossa missão institucional consiste na implementação de políticas públicas que assegurem o volume de emprego no Estado” afirma Silmara Velani, gerente de emprego e renda.

Matéria pública no site www.Rondoniaovivo.com, em 20/04/09
Fonte: AI/Sedes (É permitida a reprodução desta matéria desde que citada a fonte.)

Anônimo disse...

Prof se vc nao gosta de Rondonia ou ate msmo do Brasil... vai embora vai morar em outro lugar, o senhor nao deveria nem ser professor de tao ignoramte que o senhor é.... Rondonia nao pode ser o melhor estado mais é onde muita gente mora e ate mesmo gosta. Troca de profisao pq se é isso q vc ensina para os seus alunos entao realmente o Brasil nunca ira pra frente, por ter professores tao idiotas de falar mal ate do seu proprio país...