segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Hipocrisia em São Paulo


OS NEOCARETAS


(sobre a “PUTA” da Uniban)



Geysi tem 20 anos, carnes fartas e - suprema arrogância - gosta de si a ponto de usar um vestido vermelho e curto, deixando de fora um bom naco das coxas generosas. E vai vestida assim para a escola, justificando-se: - Depois da aula vou numa festa. Convenhamos: não é de bom tom ir à aula de minissaia, qualquer que seja a cor, certo? Pode provocar tumulto. E foi exatamente o que aconteceu neste ano de 2009 do novo milênio. Além de usar a minissaia, Geysi subiu a rampa que dá acesso às salas de aula... E alguém sentiu-se incomodado com o vestido e as coxas da moça e falou para outro alguém, que também se incomodou. Outros alguéns compartilharam da incomodação e começaram a xingar a moça, juntando mais gente e encurralando-a numa sala de aula da universidade Uniban, em São Bernardo, SP. Foi necessário que a polícia fosse chamada para Geysi ser retirada do local em segurança, vestindo um jaleco branco sobre o vestido escandaloso. Pelas cenas, calculei que umas 300 pessoas estiveram envolvidas na confusão. Tenho certeza de que pelo menos 270 estavam no tumulto pelo tumulto. Queriam fazer algazarra, tirar fotos e participar da bagunça. Mas alguns estavam realmente irados e dispostos a dar um corretivo na moça que ousou usar uma minissaia na escola.

O ser humano em grupo é um perigo. Perde o senso do ridículo, o medo, a capacidade de usar a lógica e é capaz de cometer as maiores barbaridades. É assim com as torcidas organizadas, nas brigas na balada, e com aqueles grupos de jovens que destroem os orelhões. Em grupo, somos irracionais. E ali, dentro de uma universidade, local que tradicionalmente chama a si a vanguarda pelas "lutas democráticas", assistimos a uma demonstração de intolerância, brutalidade e estupidez como há muito não se via. Provavelmente a maioria dos "defensores da moral e bons costumes" eram garotos e garotas que não vêem mal em dançar aqueles funks com letras pornográficas, navegar por sites de sacanagem, dar audiência para a mulher melancia - que mostra o útero em rede nacional de televisão - ou consumir algumas substâncias pra "ficar mais alegre". Essa gente tão liberal ficou zangada com o vestido da Geysi. E decidiu partir para a porrada. E o Brasil conheceu a versão atualizada dos cara-pintadas: os neocaretas.

Parece que apenas um professor defendeu a garota. Ninguém mais. Até dá para entender: o medo de apanhar pode ter espantado os defensores habituais... Mas e depois? Cadê as declarações estridentes daquelas ONGs que defendem a mulher? Cadê as ameaças daqueles grupos que se mobilizam pelos direitos humanos? Cadê a pastoral do bairro? Ninguém se manifestou. Geysi está só. Geysi Arruda é a Geni do novo milênio. Mas, diferente da Geni da música de Chico Buarque, não sofre preconceito por ser prostituta. O mal de Geysi é ser loira. Ter olhos claros. Não ser miserável. Não ser negra. Não ser homossexual. Não ser bolsista pelo sistema de cotas. O pecado de Geysi é não defender alguma bandeira "dos oprimidos". No Afeganistão, ela teria sido apedrejada. Ainda chegaremos lá.



Luciano Pires


3 comentários:

Variavelmente disse...

O mais absurdo é que, depois de passar por toda aquela balbúrdia, execrada em todo o país, a aluna ainda foi expulsa da faculdade!! Sem explicação!
O ministério público federal abriu inquérito para averiguar a expulsão e o retorno da aluna à faculdade, que voltou atrás um dia depois de mandá-la embora..
A delegacia da mulher de são bernardo também vai ouvir a moça, mas creio que o mais chocante foi a quantidade de animais atacando naquela faculdade. Nessas horas voto no fim do mundo mesmo. Quanto mais o ser humano pode descer?

Joice Xpds disse...

"Joga pedra na Geni,
Joga bosta na Geni,
Ela é feita pra apanhar,
Ela é boa de cuspir..."

Puro sexismo... Este caso mostra duas ou três enormes deficiências da sociedade.
A moralidade, a imoralidade...

Lembrei de uma jaula.

Arthur Alves disse...

Sou da escola joão bento e Estou divulgando meu Blog . !
por favor ... leiam minha humildes poesias !
=)Agradeço!


--> Acredito que na sociedade brasileira,infelizmente, ainda existem muitos preconceitos, onde o julgamento feito pelos "normais" Que abrem a boca para falar de moral e ética acabam excluindo os "não normais" do meio em que vive!e isso é moral? Quem é normal? Freud explica.