segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Votar nulo é premiar os canalhas





Votar nulo é premiar os canalhas

Professor Nazareno*


        Segundo Platão, filósofo da Antiguidade Clássica, “o preço que o homem de bem paga por não se envolver em política é ser governado pelos mal-intencionados”. E parece que é exatamente isto que está acontecendo há certo tempo no Brasil. Além do futebol e do carnaval, outra mania preferida dos brasileiros é falar mal da política e dos políticos. O sistema político vigente no nosso país está em frangalhos e totalmente desacreditado pela maioria dos eleitores. De modo geral, a política é a atividade restrita apenas a interesseiros, corruptos, mentirosos, ladrões, desonestos e canalhas. “Homem de bem e de caráter não se envolve com a política”, é o pensamento de muitas pessoas. No entanto, para Aristóteles, discípulo de Platão, “a ciência mais importante é a ciência política, pois esta decide a existência das outras ciências estudadas pelo homem”.
Aristóteles foi mais além ao formular que “a ciência política também inclui a finalidade das outras ciências e esta finalidade é o bem do próprio homem”. Filosofias à parte, o que se tem observado no Brasil é uma total ojeriza e repulsa pela política e pelos políticos. Com isso, de forma justa, muitos eleitores se omitem e pensam em anular o seu voto nas eleições. Só que agindo assim no atual jogo político é beneficiar o mau político. Com muitos votos nulos ele tem mais facilidades para se eleger, já que os eleitos serão todos retirados do número de votos válidos. Além do mais, todos os votos de uma eleição jamais serão anulados. Familiares, puxa sacos e os imbecis em geral sempre votarão em algum “mau” candidato que os represente. Talvez melhor do que anular o voto, seja escolher quem nunca exerceu um cargo público, um novato.
Não reelegendo nenhum dos “velhos” candidatos, nenhuma figura carimbada da política, a mensagem do sofrido eleitor poderia estar sendo dada de forma mais consciente aos maus políticos, aos canalhas. Mas a mudança total só virá quando mudarmos o jogo todo e não apenas algumas peças dele. E não adianta esperar pela Justiça. Ela não julga, não absolve, nem condena ninguém. Se for correta e imparcial, apenas segue a legislação vigente, que muitas vezes é feita sob medida por estes mesmos maus políticos. Por isso, muitos candidatos espalhados pelo Brasil afora vão disputar as eleições tranquilamente mesmo sendo “fichas sujas”, já estiveram presos, roubaram, corromperam, mataram, desviaram verbas, se associaram ao narcotráfico, demonstraram incompetência para administrar e fizeram todo tipo de bandalheira.
Por isso que se diz que no Brasil a Justiça é cega, mas cegos mesmo e sem nenhuma visão política da sua triste realidade são muitos dos eleitores que demonstram não ter nenhuma ancestralidade, leitura de mundo ou apego a sua terra natal e respeito a si próprios quando votam em qualquer um sem pensar nas consequências que lhes aguardam por causa deste ato insano, amoral e irresponsável. Voto não devia jamais ser obrigatório, principalmente em uma democracia. Voto tinha que ser facultativo como é nos principiais países do mundo. De que adianta impedir um cidadão “nó cego” de ser candidato se ele, marotamente, coloca um parente seu para concorrer ao cargo pretendido e ainda o elege? Em muitos casos, o mau caráter se perpetua no poder por causa do eleitor otário e idiota. No Brasil, uma maioria burra, analfabeta e estúpida torna refém a minoria consciente que ainda sabe escolher bem o raríssimo bom político.




*É Professor em Porto Velho.


14 comentários:

João Paulino disse...

Concordo com tudo que está escrito neste texto,concordo em gênero número e grau.

Russo de Oliveira disse...

CARO PROFESSOR, O QUE PREMIA CANALHAS, LADRÕES, PEDÓFILOS E CRIMINOSOS DE TODA ESPÉCIE NÃO É O VOTO NULO, MAS SIM O VOTO DADO PELA BARRIGA; PELO BOLSA ESMOLA QUE OS CRÁPULAS CHAMAM DE BOLSA FAMÍLIA; PELO MINHA CASA MINHA VIDA; A FALTA DE JULGAMENTO DE PROCESSOS PELA JUSTIÇA; ATÉ PORQUE POBRE ADORA RICO, AINDA MAIS QUANDO O PILANTRA É RICO POR TER ROUBADO DINHEIRO PÚBLICO, COMO É O CASO DE MUITOS QUE CIRCULAM POR AÍ LIVRES, LEVES E SOLTOS. PORTANTO, NÃO É A POLÍTICA QUE TRANSFORMA O CANDIDATO EM LADRÃO, MAS O SEU VOTO QUE TRANSFORMA O LADRÃO EM POLÍTICO. FUI...

Marcos Santos disse...

...É que naquela época nem Platão nem Aristóteles, imaginavam que um dia existiria um país chamado Brasil, e que a maioria da sua população teria o vírus da corrupção impregnado no seu DNA...

Talita disse...

Não é preciso generalizar julgando os cidadãos brasileiros! Quem faz isso tem a mente fechada no que tange a conhecer a mente de uma pessoa, clasificar pessoas como burras ou otarias não define o caráter total dela porque somos seres humanos constituídos de camadas e mais camadas de segredos você acredita que as conhece, mas o seus motivos estão sempre escondidos. A verdade é que de todos os candidatos que concorrem nas eleições estão sujeitos a cometer erros por mais que ele tenham a intenção de ser integros, o fato é: os eleitores se deparam com um jogo de poder em que deve ter sorte e votar no politico que vá fazer menos merda no seu mandato. Minha opnião

Vera Soares disse...

"O que não tem remédio, remediado está". Concordo plenamente que numa democracia, jamais o voto deveria ser obrigatório, porém sendo obrigatório e não sendo vantajoso o voto nulo, o que nos resta???? Como orienta o Prof. Nazareno, sou a favor de votarmos em novos candidatos. Mesmo assim, procuremos analisar a vida desse candodato(a), pois existem pessoas que estão se candidatando pela primeira vez e já é, do ponto de vista moral, ficha suja.

Antônio Francisco de Oliveira Filho disse...

óTIMA MATÉRIA: pena que brasileiro não gosta de ler boas noticias e que traz conhecimentos. Eu seria mais direto ao leitor . É MELHOR PAGAR A MULTA DE 3.50 ai sim, com 51% do eleitorado que não comparecer os canditados atual seriam automaticamente desclassificado. Se voce meu amigo que não concorda com esse bando que está ai, então não vá as URNAS, pague os 3.50 é bem melhor,

Nelson Souza da Silva disse...

"O RARÍSSIMO BOM POLÍTICO". ELE EXISTE?

Larissa Campos disse...

Quem confirma que os votos nulos ou brancos serão contabilizados para a somatória de quem está ganhando? Qual a explicação para que esses votos sejam destinados a eles? O voto e meu e eu farei o que quiser, não sou obrigada!

Mineirinho, Uai disse...

Fessor, bênça! Nelson, sim, o bom político existe e mora em Atlântida, numa república com o Saci Pererê e a Cuca. Não estaríamos com maus políticos se formássemos bons cidadãos. Fessor, fala aí cumé que se formam bons cidadãos? Analfabetos que escrevem ´fessor´ e ´cumé´ ... sei não!! Peço licença para parafrasear o delicioso Mário Quintana no poema ´Esperança´ : é preciso dizer-lhes de novo, devagarinho para que não se esqueçam ( na hora de votar?) : meu nome é E-DU-CA-ÇÃO ... e os bons sigam o Antônio Francisco. 3,50 vezes 100... huummm!!!... compro uns duzentos votos. Vai 3 e 50 pelo voto aí?

Sebatião F. Farias disse...

Caro Prof. Nazareno, parabéns, por abordar tão importante assunto para a sociedade. Na minha opinião, o eleitor deve dispor de informação verdadeiras sobre os partidos e seus candidatos, para que isso, lhe permita votar consciente e com responsabilidade, com foco no bem-estar de todos, como segue abaixo:

Breve consideração sobre o papel político do cristão e sua contribuição à consolidação da jovem democracia do Brasil.

# Sebastião F Farias

No momento em que os cristãos, como cidadãos que devem dar bons exemplos morais e éticos na sociedade, são chamados pela lei política dos homens, a participarem e contribuírem para a consolidação da jovem democracia brasileira, por ocasião do período eleitoral.
2. Com essa oportunidade, Deus, espera de todos nós, a prática de ações de humildade e de amor ao próximo, que sejam firmadas pelo menos, no temor ao Senhor, na verdade, na ética, na caridade e respeito aos outros, no testemunho a fé católica, na imparcialidade e na justiça. 3. Isso, aliado à instrução geral do povo e ao bem-estar da nação brasileira, deve ser compromisso de todos, eleitores e/ou candidatos e, metas a serem buscadas e melhoradas, sempre., tendo como resultado, a corajosa decisão de votar com responsabilidade.
4. A legítima separação entre Igreja e Estado, instituída por Cristo quando disse "dai a Cesar o que é de Cesar e a Deus o que é Deus", não significa de maneira alguma que a moral oriunda da lei natural possa ser relativizada no campo político. E cabe aos cristãos impedir qualquer tentativa que caminhe neste sentido.
5. A propósito, do assunto politico, segue nossa contribuição ( http://www.gentedeopiniao.com.br/lerConteudo.php?news=117637 ) :

5.1. “Parâmetros que podem ajudar o eleitor, na escolha de um bom partido e de um candidato que não seja corrupto, para votar bem e a ajudar a eliminar a corrupção”:
I- Não se pode esquecer-se de analisar-se os programas desses partidos, que devem ser registrados em Cartório, bem como a experiência, fidelidade e comprometimento de cada um deles em implementá-lo, em benefício do Brasil e de seu povo;
II- À luz do acima exposto e com imparcialidade, que se analise também, o perfil ético, de idoneidade e a ficha-limpa de cada um dos candidatos desses partidos, e;
III- Finalmente, que seja cobrado de cada candidato, o compromisso formal(público) de fidelidade com o cumprimento do seu mandato até o fim, caso eleito, em respeito ao voto do eleitor, além da verificação pelo eleitor, se as propostas dos candidatos, estão harmonizadas com os programas dos partidos e com os cargos que concorrem, para que não haja arrependimento depois de darem seu voto.
6. Abaixo, seguem como sugestão de consulta imparcial, aos cidadãos diversos, para atualização de informações sobre a conjuntura política recente do Brasil, alguns endereços de sites, onde os temas já publicados, são de domínio público e estão na Internet, inclusive, é nossa opinião, que seja consultadas todas as fontes possíveis, para maior apreensão de conhecimentos .
7. Essas matérias, muito podem contribuir para o enriquecimento do conhecimento de todos, sobre o Brasil real e, maior conscientização do povo, de professores, alunos e principalmente, do eleitorado, na hora de decidir soberanamente, em quem votar, com responsabilidade e com opinião própria.

* Engº Agrônomo
Ex-Pres. da AEARON e
Ex-Cons. Fed. junto ao CONFEA
seferias@gmail.com

Sebatião Farias disse...

Caro Prof. nazareno, apenas para complementar o espírito do seu bom texto, por ser oportuno:
O Analfabeto Político (Bertold Brecht )
"O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.
O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais."

Paulão da Silva disse...

PROF. "INTELIGÊNCIA " VOU SER CURTO E GROSSO: O VOTO É MEU E FAÇO DELE O QUE QUISER. INCLUSIVE ANULA-LO. NINGUÉM TEM NADA A VER COM ISSO. QUEM NAO GOSTAR VAI RECLAMAR PRO PAPA.

Antônio disse...

pago 3,50 ou mais com todo louvor. É mil vezes vc esta em casa ver uma matéria na mídia que o seu canditado que vc votou é um pilantra.
Deixem de demagogia e me mostrem um desses canditatos aí que vala um voto que seja.
Deixem de ser otários meu povo, não temos democracia, a nossa liberdade é medida e podada todos os dias, tannto é verdade que desafio o jornal a colocar esse desabafo !!!

Juniel da Silva disse...

No atual cenário político nem votar em novos candidatos seria solução Professor, pois os "novos candidatos" são antigos partidários pessoas que rastejam nos corredores desses partidos sujos e traiçoeiros que so pensam em tirar vantagem dos cargos políticos. A conjuntura política atual foi construída para dar suporte aos corruptos. Anular o voto não resolve, mas votar em ladrão resolve? Mesmo que sejam ladrões desconhecidos? No final das contas vai dar no mesmo. Vou nem me dar ao trabalho.
Porque não se pode candidatar sem fazer parte de um partido? Pessoas do povo sem uma vida na politicagem? Caso pudesse, ai sim teríaos novos candidatos. Da forma que esta o diabo não vem, mas manda o secretário.