quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Viva os nossos políticos!


A culpa é do Povo!


Professor Nazareno*


Além do futebol e do carnaval, os brasileiros têm também outro esporte preferido: falar mal dos políticos. Não existem pesquisas confiáveis sobre este assunto, mas certamente o grau de aceitação da classe política neste país por parte dos eleitores está próximo de zero. E não é para menos: só se vêem notícias desagradáveis dos nossos representantes. Não precisamos rever documentos passados. Basta dar uma espiada no noticiário de uma ou duas semanas. Os escândalos estão lá mostrando que a nossa classe política está composta em sua grande maioria por ladrões piores do que muitos integrantes do PCC, facínoras, mensaleiros, compradores de votos, sanguessugas, criminosos comuns, estelionatários e até, pasmem, ladrões de galinhas. Não há mais nomes para batizar as incontáveis operações da Polícia Federal.

Mas é preciso tomar muito cuidado para se analisar este fato social. Primeiramente, se os políticos são ruins (e são mesmo) seria muito pior se eles não existissem. Quem nos governaria? Que critérios a sociedade adotaria para eleger seus representantes? Depois, é preciso entender que os políticos não são alienígenas, não vieram de Júpiter ou dos anéis de Saturno. Eles são daqui mesmo da terra. E pior, da nossa região, da nossa cidade ou até do nosso bairro ou rua. Às vezes até parentes nossos, portanto, humanos. E só são o que são porque estão no Brasil, país de leis absurdas e impunidade latente e de uma gentinha sem a menor qualificação em sua grande maioria. Nossos políticos não sobreviveriam um mês sequer num país sério de primeiro mundo, onde se acredita que as leis sejam mais severas e não há “pizzas”.

O recente episódio do Mensalão em Brasília é exemplo disso. José Roberto Arruda já havia se envolvido em atos desonestos quando foi acusado de violar o painel do Senado junto com o falecido governador da Bahia, Antonio Carlos Magalhães, o famigerado ACM. Esperto, renunciou e depois voltou à cena política para se eleger governador do Distrito Federal. O povo não sabia de suas falcatruas? Está fazendo passeatas de protestos lá em Brasília? Já em Rondônia, tivemos vários escândalos na área política, mas o que se vê são os acusados serem elogiados publicamente por quem deveria alertar a opinião pública. Por isso, os canalhas sempre dão um jeitinho de continuar na política através dos parentes. Recentemente, o ex-presidente do TSE, Marco Aurélio de Mello afirmou em uma entrevista que a sociedade não é vítima, mas autora. “Somos responsáveis por todos os homens públicos que aí estão,” sentenciou.

Seria muito bom perguntar: por que roubam, adulteram, desviam? É, parece que os nossos políticos não têm amor à pátria, não gostam do Brasil. São criminosos de lesa-pátria. Mas e o povo? Tem demonstrado este amor eterno ao país? Não fossem as Copas do Mundo de futebol, talvez o Brasil nem existisse como nação soberana. Grande parte do povo brasileiro é mais ladrão e interesseiro do que qualquer político que ele mesmo elege. Na maioria dos casos esse mesmo povo jamais se importou com a nação, pátria ou qualquer coisa que beirasse o sentimento cívico ou de amor ao coletivo. O Brasil é o país dos que querem se dar bem “custe o que custar”. Nunca tivemos povo, temos público, já afirmava Lima Barreto. E o exemplo disso é que os políticos completam o espetáculo fornecendo a matéria-prima de que o povo necessita: a desonestidade.

Esse mensalão do Distrito Federal é uma cópia de outro já esquecido: o de Zé Dirceu, Roberto Jefferson, Marcos Valério e toda a alta cúpula do PT, o Partido dos Trabalhadores do Presidente Lula. É o PT fazendo História. Pobre Brasil que com um povinho desse naipe e políticos idem, jamais será uma nação de futuro. Ou estaria alguém pensando que o fruto do roubo não é repartido entre uma legião de assessores, simpatizantes, puxa-sacos, aduladores e outros políticos de menor escalão? Desta vez tivemos até o pessoal da bancada evangélica rezando a “oração da propina”. Por isso, não se deve acreditar que a voz do povo seja a voz de Deus. Se for, está na hora de perguntar que divindade é esta que ajuda na eleição de ladrões, criminosos, mensaleiros, sanguessugas, etc. Ou os políticos estão se espelhando no povo ou vice-versa...


*É professor em Porto Velho


3 comentários:

Arthur Alves disse...

A um escritor polêmico

Ia escrever sobre o amor...
Mas pensei nos problemas e nas tragédias!
Pensei em todos os cidadãos e suas rédeas
Imobilizados por toda dor e horror!

Polêmica é a verdade!
A mentira no entanto
Com a intenção de evitar o pranto
Engana e acomoda sem piedade!

Querida é a maldade!
Malditos os que a interroga.
Não sabem eles que essa "verdade" os afoga
No mar de enxofre com toda sua crueldade!

Esperança...que pena sua existência!
Esta incerteza que nos leva a esperar
Que em muitos desperta o sonhar...
E é inimiga da realidade e sua displicência!

Pois a realidade,
Na sua rude vivencia
Em que o mal é sua tendencia
Transborda de verdade!

A esperança e a sutileza
Cheias da bela inocencia
Fora de toda saliencia
Estão atras da cortina de uma falsa beleza!

Sim! Deve-se escrever coisas boas!
Mas o que tem de bom no mundo em sua ira?
Se até o amor da humanidade é uma mentira?

"Pior que os fatos,
é ficar imóvel,
diante de tais atos!"

Joice Xpds disse...

A isso damos o nome de Hipocrisia, a comemos no almoço todo dia!

Leon disse...

Essa colocação pronominal ai em cima ein...