quinta-feira, 10 de junho de 2010

O Blog está sendo encerrado. Servirá apenas para leitura. Esta é a última publicação.


“O Último Texto”


Professor Nazareno*


Em clima de Copa do Mundo não poderia haver uma notícia melhor para os internautas rondonienses. Eu, José do Nazareno Silva, conhecido também por Professor Nazareno, não mais escreverei artigos ou qualquer outro tipo de texto, inclusive comentários, para a mídia eletrônica, falada ou escrita deste Estado. Nenhuma redaçãozinha sequer será publicada por mim em qualquer blog ou site a partir desta data, junho de 2010. Qualquer texto divulgado com o meu nome não passará de uma cópia apócrifa. Alegria para muitos, tristeza e decepção para umas duas ou três pessoas que diziam gostar das minhas redações. Não é um apagão intelectual, pois “sei que nada sei”, mas uma tomada de posição coerente diante de várias circunstâncias surgidas.

Foram dois longos anos de “treino jornalístico” e de publicação de vários artigos que causaram muitas polêmicas entre os rondonienses. “Em Rondônia é assim mesmo...”, “Porto Velho, uma cidade sem símbolo”, “As lições da COE”, “Justiça caolha e desumana”, dentre tantos outros textos amplamente comentados e que mexeram com parte da opinião pública local. Em nenhum deles havia a verdade absoluta, eu mesmo não acreditava em tudo o que escrevia, mas apenas a intensão de provocar outros textos, comentários e principalmente a reflexão sobre os nossos problemas. E quase conseguia. Faltaram ações? Não sou administrador, apenas escrevo textos. Nem político, só um simples professor que ousa pensar e escrever.

Agradeço de coração aos que publicaram “a minha literatura” e peço mil desculpas a quem se aborreceu. Não tenho inimigos e espero que não tenha feito nenhum com os meus escritos. O problema é que descobri que tenho um estômago bem maior do que o cérebro. Tenho filhos e uma adorada família que ainda dependem de mim. Claro que sofri ameaças. Muitas. Tentaram tirar o meu salário e me denunciaram como um péssimo profissional e cheio de defeitos. Atingiram a minha honra pessoal, questionaram a minha idoneidade, invadiram a minha privacidade e não viram nenhuma utilidade no meu trabalho. Muitos se esqueceram de rebater os meus textos com outros textos, a minha opinião com outra opinião. Será que desconheciam Voltaire?

Claro que não vou entrar na política. Não tenho vocação para mercantilista, com todo respeito aos mesmos. Apenas achava que o Artigo Quinto da nossa Constituição era pra valer. Se for, como entender as reações retrógradas de jornalistas, professores, advogados e tantos outros profissionais às minhas opiniões? Os que se intitulam donos de Porto Velho e de Rondônia não se acanharam em mostrar suas garras contra mim. Poderia continuar a escrever, mas não estou na Escócia nem em outro país distante. Não trabalho nas revistas Época, IstoÉ ou mesmo Veja. Não sou Diogo Mainardi ou Arnaldo Jabor da Rede Globo. Sou pobre e como professor tenho um salário que todo mundo sabe quanto é e por isso mesmo entender o poder que tenho. Ou seja, nenhum.

Sei que minha ausência na mídia não será lamentada, mas fico triste de não poder escrever durante uma Copa do Mundo e num ano eleitoral. E noutros anos que certamente virão com as bizarrices tão peculiares a nós humanos, aos rondonienses e aos brasileiros em geral. Escrevo mal, sei disso. Porém trazer o coloquialismo para dentro do texto jornalístico é um desafio que eu quase conseguia vencer. E para quem tiver coragem de fazer o que eu tentei que o faça sem medo e se quiser por trás de um anonimato covarde e imoral. Minha escrita acabou e meu blog está encerradohttp://blogdotionaza.blogspot.com/. Ou então escrevam só o que o povo gosta de ler. Como na fábula de Rubem Alves, cantar como pintassilgo é perigoso por aqui.

Continuarei a produzir textos para um dia publicá-los. Sou jornalista formado e professor de Redação. O dia em que a liberdade de expressão e a aceitação do contraditório forem entendidas como algo banal que não merece respostas ásperas com ataques pessoais a mim e aos meus familiares. Alguns leitores não viam os meus textos como um jogo de palavras, mas como espelhos terríveis que refletiam suas carapuças. Espero o momento em que textos não sirvam para provar que liberdade de expressão é algo relativo. Acho que muitas mentalidades deste país precisam mudar. Não sei quando isto acontecerá, pois enquanto se entoam hinos e se distribuem tochas e capuzes fictícios a “adolescentes gordos” dentro dos shoppings é por que a situação está feia. Pelo menos meus textos serviram para provar que ainda somos uma das periferias medievais desse capitalismo. Que a alegria volte à mídia, sem a temida ironia do Professor Nazareno, o “rebotalho, aloprado, mentecapto, retirante da seca e faminto”. Mentiroso, jamais.


*O Professor Nazareno leciona em Porto Velho. (profnazareno@hotmail.com)


35 comentários:

ViníciusFeitosa disse...

Infelizmente não é professor?
Infelizmente.

aninha_terceirão jbc disse...

Que pena professor, gosto muito de seus textos...abraços

oliveira~ disse...

Sem sombra de dúvidas deixará saudades os seus textos, sem dúvida um grande profissional.

Anônimo disse...

haa,não tô acreditando que você deixará de escrever,vou sentir falta de seus textos.

Aline Souza,T1 2009.

_''[vinny]''_ disse...

poxa professor eu adoro seus texto . porto velho so não gosta de ouvir a verdade. pense direiro...mais pense com calma. os alunos foi que perderam um otimo "bloguista"...

Graziele disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Graziele disse...

Que pena! Será que sua decisão não pode ser mudada? Nós, alunos do Jbc, sentiremos muita falta de seus belos textos, de suas dicas, que nos servem muito!

Anônimo disse...

Gostava muito dos seus textos.
Vou sentir muita saudade de ler seu blog. Abraços.
Vanessa de Oliveira - JBC - 2009.

Anônimo disse...

Uma pena mesmo. Sorte nossa se conseguiu colocar nos cérebros ainda jovens e sem vícios dos teus alunos uma centelha de ética. Se pelo menos alguns souberem em quem não votar ou não se tornarem achacadores jornalísticos como temos as dúzias aqui em rondônia já é um grande feito. Abraços.

Leonardo disse...

Professor é triste ler esse seu "último texto",pois foi justamente pela leitura de seus textos incentivado por uma professora que comecei a perceber de verdade os problemas da nossa cidade.Posso dizer que antes eu era meio alienado para essas coisas mas hoje sempre tenho procurado estar mais atnto ao que diz respeito a nossa cidade e seus textos tem sido minha leitura frequentemente.Não sei o que lhe aconteceu mas espero que o senhor repense e volte a nos prestigiar com seus artigos que como o senhor mesmo diz,nos faz refletir e perceber que é hora de mudança. um abraço
comentário retirado do site www.interagindo jbc 2010

Marcela disse...

Não concordo professor que o senhor deixe de escrever.Seus artigos em muito contribuem no nosso entendimento no dia a dia.Não faça isso,pois as pssoas conscientes sabem valorizá-lo.

comentário retirado do site www.interagindo JBC 2010

Everson Castro disse...

Confesso professor ter ficado um tanto desapontado com este texto, senti um tom de desabafo de sua parte. Fiquei um pouco triste com não poder ler seus textos... Abraços

Comentário enviado por e-mail

Alcione Félix disse...

Boa tarde, professor fui sua aluna ainda do tempo do Coopeduc, e adorava suas aulas foram através delas que comecei a gostar de português, amo escrever, e muitas vezer via em seus textos tudo aquilo que eu gostaria de expor, podem proibir seus textos, mas acabar com o seu talento da escrita jamais.............abraços!!!!!!!!!

Comentário enviado por e-mail

Alcione Félix disse...

Imagino como se sente, infelizmente moramos num país que não se preocupa com a educação, que o fato de termos facilidade em expor a realidade para a sociedade, isso acaba se tornando um grande conflito, pois é mais fácil de se lhe dar com pessoas que não conhecem os seus direitos e aceitam tudo calada, exemplo disso é a vergonha do nosso jornalismo em Rondônia, não é preciso muito para percebemos o despreparo desses profissionais, mas continue a lecionar pois com certeza sua simplicidade e grande paixão pela escrita será lembrada e seguida por outros alunos, assim como aconteceu comigo, lembro muito de vc.

comentário enviado por e-mail

Josiane disse...

Professor Nazareno, fiquei muito triste pelos acontecimentos. As pessoas falam que temos liberdade de expressão, mas isso de fato não acontece.
Eu posso não concordar com tudo o que você escreve ou pensa, assim como você também não pode concordar com que eu penso.
Continue escrevendo professor, não deixe que essas poucas pessoas ignorantes nos façam perder o prazer de Lê os seus textos.

Obs: não corriga os meus erros de concordância, entre outros rsrsrs. Só quero manifestar o que sinto.

Comentário enviado por e-mail

Luzimar Feitosa disse...

Sou Luzimar Feitosa, a mãe de seu ex-aluno aluno VINICIUS FEITOSA.
Fiquei indignada com que aconteceu com você, pois é uma pena que leitoras como eu,
que concorda com sua opnião, não possa mas sentir o gostinho de lê seus textos.
Pois você expressa o que muita gente gostaria de por pra fora, mas não tem a
sua coragem. Pois a livre expressão não é para todos mesmo! "Só para poderosos......"
É uma pena mesmo, vc sair do ar.

Comentário enviado por e-mail

Site Rondoniainfoco disse...

Que pena grande amigo, gosto muito do teu trabalho, do teu texto, ficamos aguardando o seu retorno, paulo henrique, site rondoniainfoco, sediado em Cacoal.

Comentário enviado por e-mail

Pedro Paulo Pantoja disse...

Comentando onde ninguem comenta. Até parece q não sabia q aki não se pode falar tudo oq pensa. apesar de serem suas verdades.Ninguem entra no barco sem saber q ele pode sim virar...
Comentário retirado do site www.rondoniaovivo.com.br

Adriana disse...

Será muito mais prazeroso ler as matérias do site sem os seus textos que muitas vezes agridem verbalmente os leitores. Mas não lhe desejo mal, simplesmente espero que quando um dia voltar a publicar seus textos, que sejam menos agressivos. Boa Sorte!!!

Comentário retirado do site www.rondoniaovivo.com.br

Francisco Carlos disse...

Ora, não se preocupe senhor professor. Muitos ainda virão, e muitos desistirao. Sou critico por natureza, apesar de leigo em varias searas, nunca me abstenho de tecer comentarios, ou mesmo de criticaar certos modus aqui no site. O que esperava voce, de comentarios a respeito de vossas materias e textos. Vivemos num Estado cuja classe politica é uma verdadeira mafia, da qual todos os poderes constituidos é refém. Os tentaculos desta mafia institucionalizada é vista abertamente, quer seja atraves de pareceres duvidosos de certas "autoridades" em casos julgados em nossos tribunais, quer seja na nomeacao dos fixas sujas para cargos de conselheiros, magistratura, dentre outros. O que dizer entao do nepotismo cruzado entre o TJRO e o TCE, cujas ultimas noticias, enojariam qualquer tribunal decente, mais aqui, onde um tal "dominó", apesar de ter alcancado ate mesmo desembargador, nada surte de efeito pretico.(tem ate um que pode agora, ser indicado para ser desembargador, cujo nome, foi ventilado e fez parte na dominó). Continuar criticando aqui, nao é facil. para um povo que acha que tudo de ruim que ta acontecendo, é culpa das usinas, das pessoas que vieram de fora pra trabaalhar, e que nao fazem uma auto-critica, POIS NUMA CIDADE COM MAIS DE 400 MIL HABITANTES, NAO SE CONSEGUE AMEALHAR 10 MIL TRABALHADORES INTERESSADOS EM TRABALHAR DE FORMA ORGANIZADA, CUMPRIR HORARIO, ATINGIR METAS(FILHOS DO FUNCIONALISMO PUBLICO, ACOSTUMADOS AS BENESSES DO PODER, SEM HORARIO, SEM COMPROMISSO, SEM COMPETENCIA, APENAS NO APADRINHAMENTO). NAO SE PREOCUPE PROFESSOR, ISSO AAQUI, NAO IRA MUDAR NUNCA!!!!! O SENHOR TA DEIXANDO DE ESCREEVER, NO MEU CASO, PRETENDO IR EMBORA DESTA TERRA DE CORRUPTOS E CORRUPTORES

Comentário retirado do site www.rondoniaovivo.com.br

Tomás disse...

Uma pena que deixe de expor seus artigos, sempre li eles é mesmo que não concorde com alguns,respeitava suas opniões. para a alegria dos ignorantes que fecha os olhos para os problemas de PVH, e tristeza para quem sempre quis ver artigos que retratassem as realidades de PVH, uma perda que será sentida, mas espero que um dia volte. pois estamos precisando de pessoas que tem opnião é não tem medo de se acorvadar!! ASS: Um ex aluno seu do colégio COOPEDUC,Hoje formado.

Comentário retirado do site www.rondoniaovivo. com.br

Josi disse...

Só tenho uma coisa para falar, algo inquestionável: o senhor é um EXCELENTE professor, mas infelizmente não podemos falar tudo que queremos.

Comentário retirado do site www.rondoniaovivo.com.br

Alcebíades Flávio da Silva disse...

É uma pena! Discordava com muitas coisas escritas mas, o senhor tem o direito de escrevê-las. Eu li vários textos de sua autoria e por muitas vezes expressei minha opinião. Desculpe a comparação: parar de escrever para nossos veículos de comunicação o senhor está agindo como aqueles cachorros que latem atrás dos veículos, late, late e late, mas quando o carro para, não sabe o que fazer. Seus artigos metafóricos mostrava a realidade nos assuntos de interesses da comunidade, que ela não soube valorizar. Repense na opinião e procure olhar menos para seu umbigo. Sei que rebentos falam alto às nossas consciência neste mundo onde sabemos da mídia destinada. Repense

Comentário retirado do site www.rondoniaovivo.com.br

Vinícius disse...

Deveriam ter vergonha de não gostar de textos críticos. Todo mundo adora apontar os defeitos dos outros, dizer que o outro é quem está errado. Deveriam se sentir lezados por não terem mais uma cabeça pensante no nosso cenário jornalístico. Parabéns aos que ameaçaram, só provaram mesmo serem ignorantes, pois como disse nosso ilustre professor, Voltaire já dizia que para rebater uma idéia só outra idéia e não juras de morte ou ameaças. Nada mais correto. Então sejam pensadores e não burros. Textos que mostram como crescer não são para ferir, são para ajudar e pela notícia que temos, o único que tinha essa coragem, já não tem mais. DIGAM SIM A LIBERDADE DE EXPRESSÃO! "Posso até não concordar com o que você disser, mas lutarei até a morte para garantir que você diga." Voltaire.

Comentário retirado do site
www.rondoniaovivo.com.br

Sonia disse...

É UMA PENA...sempre que acesso o RONDONIAOVIVO procuro por suas materias, pq sei que ali encontrarei verdades. Profº o Sr. pode ter sido totalmente vencido pela corrupçao mais o que me alegra é que o Sr. nao foi CONVENCIDO,é sei que um bom guerreiro esta sempre pronto para lutar.Lutar e vencer todas as batalhas não é a glória suprema. A glória suprema consiste em quebrar a resistência do inimigo sem lutar.

Comentário retirado do site www.rondoniaovivo.com.br

Antônio de Souza Alencar disse...

Eu lhe avisei professor mais o senhor não ouviu ou não quis ouvir. Era perigoso mecher com certas pessoas. O senhor ia sofrer pressão por todos os lados sim. Aqui sempre foi terra de ninguém e vai continuar sendo por muito tempo. Eu sabia disto e fico triste por que não posso mais ler os seus bons textos escritos de forma humorada e com muita ironia coisa que nunca tinha visto por aqui. os jornalistas daqui só criticam um lado, uma pessoa só por que parece que ganham do outro lado. Quase todos eles são assim ganham para falar bem ou mau de alguém ou de alguma coisa. O senhor falava de tudo e de todos. Vou sentir falta dos seus textos, mais continui escrevendo e quem sabe um dia vai ter liberdade de expressão e as mentalidades vão mudar para melhor. ainda sim, procure ter cuidado. Vou mantger contato com o senhor pelo seu e-mail espero que comprienda. eu gostava muito de ler os seus textos. OBRIGADO

Comentário retirado do site www.rondoniaovivo.com.br

Géri Anderson disse...

como diria o coxinha:"vai timbóra carniça!" ;p

Comentário retirado do site www.rondoniaovivo.com.br

Ivanilson Frazão Tolentin disse...

Caro Professor Nazareno Foi com tristeza que li esse seu último texto, aliás, um verdadeiro desabafo. Os seus escritos eram algo que me davam alguma alegria ao acessar os sites de Rondônia. Eles, com certeza, estão acima da média do que é vinculado na imprensa local. Discordei de algumas opiniões suas, mas ficava feliz, quando lia os seus textos e percebia que eram escritos com humor, gramaticalmente corretos e, acima de tudo, eram coerentes e refletiam a triste realidade de nosso estado. O que lamento, como você disse, é que as pessoas que o fizeram tomar essa triste decisão são pessoas que não tem outra forma de contestar e nem são capazes de escrever outros textos para rebaterem os seus. Eles só tem as armas dos covardes que são o anonimato, a baixaria, a inveja, o ataque a sua honra e a sua família. Por outro lado, se o senhor incomodou tanto, que chegou ao ponto de ter que desistir de escrevêlos, é porque os textos, de fato, provaram que a sua visão acerca de nosso estado, de nossa sociedade e de nosso país está correta. Uma pena que quem expressa o que sente seja obrigado a se calar e aceitar a situação como está. Mas, caro professor, não desanime. Lembre de Bertolt Brecht: "Há homens que lutam um dia, e são bons; há homens que lutam por um ano, e são melhores; há homens que lutam por vários anos, e são muito bons; há outros que lutam durante toda a vida, esses são imprescindíveis." Tudo de bom.

Comentário retirado do site www.rondoniaovivo.com.br

Humberto Oliveira disse...

Caro professor Nazareno realmente é uma pena esta sua saída, digamos, abrupta. Infelizmente, mais uma vez, os idiotas da objetvidade venceram e conseguiram calar quem tenta dizer a verdade. Certas pessoas, que sequer sabem articular meia dúzia de palavras, vivem enviando mensagens sem pé e nem cabeça apenas para criticar os escritos do caro professor. Verdade seja dita, seus artigos ácidos e sinceros farão muita falta. É triste que certas pessoas ainda se revistam de um bairrismo cego, hediondo, exagerado e inútil para exercitar a infame censura. Com certeza este site perde um ótimo colaborador. Parabéns professor Nazareno.

comentário retirado do site www.rondoniaovivo.com.br

José Francisco de Almeida disse...

Professor Nazareno, seus textos só confirmaram o que o senhor denunciava: somos mesmo uma grande periferia de mundo.Este estado e o país inteiro são isso mesmo. Lia os seus maravilhosos textos com a certea de que estava aprendendo muito com eles. E aprendi, mas não sabia de onde o senhor tirava tanta coragem para escrever tudo aquilo.VERGONHA de quem, ensandecido pelas circunstâncias, tentou denegrir a sua imagem. E foram muitos daqui. Muitos que se dizem formadores de opinião.Pessoas até conhecidas no meio social, na mídia, na política. VERGONHA MESMO, Professor. Repense a sua atitude radical e volte a nos brindar com estes textos maravilhosos que só o senhor, parece, que sabia fazer. Mesmo assim essa sua atitude deve servir de reflexão para os "metidos a jornalistas que não sabem escrever e nem pensar" da vida, os defensores do absurdo. Porto Velho, Rondônia e o Brasil era sim tudo o que senhor com uma visão de águia conseguia observar. Espero que a sua passagem meteórica tenha mudado a maneira de se fazer mídia neste lugar. Quem publicou seus textos está de parabéns já que quem perde com a sua saída é a opinião pública do lugar.As aves de rapina ganham, os sem-vergonha ganham, os verdadeiros aloprados ganham, os maus políticos ganham ao mesmo tempo que todos perdem. Calaram uma voz que tentou alertar sobre o perigo que corremos.

Comentário retirado do site www.rondoniaovivo.com.br

Francisco das Chagas Pereira Filho disse...

Além da apreendizagem com os seus textos, eles me enchiam de orgulho de ser RONDONIENSE. Felicidades Professor Nazareno.

Comentário retirado do site www.rondoniaovivo.com.br

Juniel Silva Lima disse...

Não cairei no lugar comum de falar o que todos ja falaram. Professor nazareno, boa sorte e vá com o sentimento de dever cumprido cuide de sua familia, mas tenha certeza de que o eco de sua voz sempre será ouvido... E para os seus amiguinhos covardes digo: Podem cessar as palavras, mas o pensamento permanece... "eu mesmo" rsrsrsrsrsr

Comentário retirado do site www.rondoniaovivo.com.br

Karla disse...

Como asssiiiimm?? Adoro abrir seu blog de modo fortuito e escolher bons textos para ler. Ontem mesmo abri seu arquivo de junho de 2009 e relembrei o texto "Viva o Arraial Flor do Maracujá!" (inclusive repassei a um amigo). Deixar de escrever parece-me a vitória daqueles que te apedrejaram. Eu que estudo Direito fico envergonhada de saber o quão pífio é o nosso ordenamento jurídico.

Jéssica disse...

JÉSSICA disse...

HOJE MINHA PROFESSORA ESTAVA FALANDO SOBRE MACHADO DE ASSIS E FEZ UMA COMPARAÇÃO DA IRONIA DO AUTOR COM O SEU JEITO IRÔNICO DE PÔR O SEU PENSAMENTO E QDO CHEGUEI EM CASA VIM LOGO RELER SEUS TEXTOS PARA IDENTIFICAR O QUE ELA ESTAVA EXPLICANDO E PARA MINHA SURPRESA (FAZIA DIAS Q NAO ENTRAVA NA NET,TAVA COM PROBLEMA) LI SEU "ULTIMO TEXTO".FIQUEI TRISTE,POIS É DIFÍCIL ENCONTRAR ALGUEM POR PERTO DE NÓS QUE ESCREVA TÃO BEM SOBRE OS PROBLEMAS DA CITY COMO O SENHOR.POR NÓS,ALUNOS,O SENHOR PODERIA REVER SUA POSIÇÃO,POIS NAO VEJO A HORA DE ESTAR NO TERCEIRÃO PARA TER AULA COM O SENHOR,ISTO É,SE MINHA PROFESSORA (QUE POR SINAL É MARAVILHOSA TAMBÉM) ME APROVAR,POIS PARA ESCREVER ESSE RECADO AQUI PEDI A MINHA IRMÃ PARA CORRIGIR - RSRSRS SEMPRE COMETO GAFES NO MEU PORTUGUÊS...MAS VAMOS LÁ PROF,NÃO DESISTA,CONTINUE ESCREVENDO E CONSEGUI IDENTIFICAR A IRONIA DE Q MINHA PROF FALOU - PRIVILÉGIO SER COMPARADO A MACHADO DE ASSIS HEIM??????PARABÉNS PROFESSOR POR TUDO Q O SENHOR JÁ ESCREVEU!

comentário retirado do site www.interagindojbc 2010

Arthur Alves disse...

Promessas de politico...